A Alegoria

Vitor estava deitado no tapete de sua sala de estar,nu, de braços abertos, olhando para o ventilador de teto, girando e girando, a TV estava ligada, mas ele nada escutava, ouvia apenas a multidão na sacada de sua casa, esperando o desfile que estava por vir, porém nisso não pensava, Heloisa tinha saido de sua casa, e o objetivo dela era sair de sua vida também.
Ele ficou de lado no tapete, olhando a estante da sala, encolheu-se, começou a chorar, um pranto inconseqüente, vindo das profundezas de seus pulmões, acompanhado de grunhidos e lamentações. Colocou o joelho na boca, parou de chorar, levantou-se, foi em direção ao banheiro e lavou o rosto, olhou para o espelho, tentou ver algo, Vitor se sentia incompleto sem Heloisa.
Colocou uma calça e uma camiseta, pegou sua chave e saiu de casa, desceu as escadas. Logo no térreo, uma multidão lotava as calçadas esperando a festa. Carros alegóricos, música e mulher com pouca roupa para a diversão do povo.
Vitor começou a esquivar das pessoas em direção ao galpão onde estavam organizando o evento, sabia que lá encontraria Heloisa, preparando-se para desfilar, sendo bajulada por homens.
Na porta do local, pode ver nada, entrou, começou a olhar para todos os lados procurando por Heloisa, enfim, achou-a, estava numa espécie de camarim, arrumando-se, foi para perto dela, que estava deslumbrando, com purpurina encobrindo toda a imensidão de seu corpo carnudo, o biquini recheado de lantejoulas douradas não reluzia tanto quando a sua pele com óleo, estava com uma coroa servindo de coadjuvante para seu belo par de olhos verdes, o cabelo negro de Heloisa fora alisado, chegava a cintura e dançava como as borboletas indo para o ritual de acasalamento, estava com um salto alto, ficava até mais alta que Vitor, era uma diferença de poucos centimetros, mas sentimentalmente, Vitor estava prestes a ser pisado.
Vitor ficou proximo de Heloisa, que olhava para um espelho, por um momento ela desviou o olhar, voltou a atenção para o espelho e disse:
_ Quem deixou você entrar aqui Vitor?
Ele tomou ar e respondeu, angustiado:
_ Por favor Heloisa, vamos recomeçar isso, juro que farei diferente desta vez.
Ela mantinha a postura fria, olhando para seu proprio reflexo brilhoso, uma fada dos tempos modernos.
_ Você é a mulher que eu quero passar minha vida junto, casar, ter filhos com você, quero que minha felicidade seja sempre em conjunto com a tua. Eu amo você.
Ela deu dois passos em direção de Vitor, toda vez que seu salto batia no chão, o ar se enchia de brilho, como vagalumes em uma noite escura, e disse:
_ Mas você não é o homem que eu quero para o resto de minha vida, você teve sua chance Vitor, não deu certo, quero que você saia da minha vida.
Vitor, insatisfeito e chocado com a resposta, agarra Heloisa pela cintura e beija ela, aqueles labios comportavam tudo o que Vitor precisava, conforto, alegria, luxúria, amor. Um homem viu o ato enquanto chamava Heloisa para o desfile, correu em direção dos dois e os separou, pegou Vitor pelo pescoço e o jogou fora do galpão, Vitor começou a andar, olhou para suas mãos, para seu rosto na lataria de um carro, ambos estavam cheios de purpurina.
Ele vagava no momento que o desfile começou, ficou esperando por Heloisa, certo instante ela apareceu em cima de uma grande passarela, ela ofuscava todas as outras pessoas, com seu brilho e sua alegria. Ela parecia tão feliz sem Vitor, como se o impacto que o fim tivesse tido para ele, fosse o oposto para ela. Enquanto pensava, Heloisa passou por ele, que começou a seguir o carro através da multidão, podia ver a marca de suas mãos nas costas dela, isso reconfortava ele, não sabia o porquê.
Enquanto Heloisa hipnotizava a platéia com suas curvas e pequenas estrelas coladas em seu corpo, ela sofreu um deslize e deixou sua coroa cair no chão, ela rolou pelos enfeites do palco e caiu na rua, onde rodou mais alguns metros. Vitor, olhando a cena, correu dentre o público e foi no meio da avenida pegar a coroa de Heloisa, ajoelhou-se e pegou o objeto dourado, ao erguer-se para entrega-la, o carro passou por cima dele, a multidão calou-se e várias pessoas ficaram ao redor de Vitor, inclusive Heloisa que desceu do palco.
Vitor foi atropelado por uma alegoria carnavalesca, linda, radiante e colorida, todavia, isso foi antes do incidente da coroa.

Advertisements

One thought on “A Alegoria

  1. Pingback: Melhores textos « Like Dylan…

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: